Ato em defesa dos bancos públicos

Publicado em 21/08/2019 15:51

A manifestação do Sindicato dos Bancários está prevista para esta quinta-feira, a partir das 10h, na frente da agência do BB

A diretoria do Sindicato dos Bancários de Rondonópolis vai realizar um ato público, nesta quinta-feira (22), em defesa dos bancos públicos que, conforme os idealizadores do movimento, estão ameaçados de serem privatizados no atual governo. A atividade ocorrerá no período da manhã e os sindicalistas aproveitarão para distribuir uma cartilha elaborada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf), que fala da importância da manutenção dos bancos públicos para a existência de políticas públicas de geração de renda e habitacionais, entre outras.

De acordo com o diretor de imprensa do sindicato, Almir Araújo, o objetivo do ato será alertar a população para o risco de privatização dos bancos públicos e os prejuízos que viriam em consequência disso para a sociedade. “Essa data foi escolhida em âmbito nacional para se fazer a defesa dos bancos públicos e das estatais, porque com essa onda de privatizações, de vender tudo, a nossa Federação e os sindicatos resolveram discutir com a sociedade a possibilidade de privatização dos bancos públicos e das empresas estatais. Então, esta quinta-feira, será o dia de dialogarmos com a sociedade e entregar um material mostrando que as estatais dão lucro e que não faz sentido privatizá- las”, explicou.

O material da Contraf mostra números que comprovam que os bancos e outras estatais são lucrativos e faz uma defesa da sua importância social para o país. “Aonde os bancos privados não vão oferecer serviços, o banco público vai, por conta do seu compromisso com questões sociais e com o desenvolvimento do país. Eles fomentam a agricultura familiar, a habitação. Os bancos públicos dão esse suporte em áreas onde os privados não investem, pois eles só investem onde tem lucro certo e grande. Já o banco público fomenta a economia, está preocupado com a habitação e com outras questões de cunho social. E eles distribuem milhões de dividendos (parte dos lucros de uma empresa que é distribuída entre seus acionistas) todos os anos”.

 

Para o sindicalista, a sociedade precisa entender melhor a situação e se posicionar em favor dos bancos públicos e estatais. “Eu costumo dizer que se você tem uma vaca de leite, você tem que beber o leite e não pode comer a carne, porque assim você acaba com o leite. O caso dos bancos públicos é esse: são bancos rentáveis e as partes que mais dão lucro estão passando por um processo de privatização. Isso já vem de tempos atrás e agora voltou com toda a força. O Paulo Guedes (ministro da Economia) tem um compromisso com os grandes bancos mundiais de privatizar tudo. E o primeiro passo é precarizar o atendimento, fatiar o atendimento, para mostrar que o que é público é ruim e o bom é o privado. E na verdade, sabemos que não é nada disso, pois quem fomenta a agricultura familiar e a habitação popular, principalmente, são os bancos públicos”, concluiu o sindicalista.

O ato público dos bancários acontecerá nesta quinta-feira (22), entre 10 e 11 horas, na frente da agência do Banco do Brasil, da Avenida Cuiabá, região central da cidade.