Categoria bancária tem reivindicação atendida e é incluída na vacinação prioritária contra a Covid-19

Publicado em 06/07/2021 15:01

Categoria bancária tem reivindicação atendida e é incluída na vacinação prioritária contra a Covid-19

Anúncio foi feito nesta terça 6 pelo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, após uma longa campanha dos bancários em todo o país

Atendendo reivindicação da categoria, o Ministério da Saúde anunciou nesta terça-feira 6 a inclusão dos bancários entre as prioridades do Plano Nacional de Imunização (PNI) contra a Covid-19.

“É uma vitória muito importante dos trabalhadores e trabalhadoras do ramo financeiro, que por meio dos sindicatos e suas entidades acabam de conquistar a inclusão na priorização das vacinas”, comemora Rafaella Gomes, diretora de Saúde da Federação dos Bancários do Centro-Norte (Fetec-CUT/CN), que estava presente no auditório do Ministério da Saúde no momento do anúncio.

O anúncio foi feito pelo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, durante reunião virtual com a participação de diversos representantes dos bancários, entre eles a presidenta da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), Juvandia Moreira, e o presidente do Sindicato de Brasília, Kleytton Morais. Também participaram representantes dos trabalhadores dos Correios, que também foram incluídos no PNI nesta terça-feira. Confira na foto abaixo.

De acordo com o Ministério da Saúde, até o final da semana o informe técnico que incluiu a categoria será formalizado com a inclusão dos bancários e dos trabalhadores dos Correios.

O Ministério receberá as informações da distribuição da categoria pelos estados para a encaminhar as doses de vacina para serem aplicadas nos postos e unidades de saúde de cada local, a partir da semana que vem.

Desde o final do ano passado, o Comando Nacional dos Bancários, a Contraf-CUT, a Fetec-CUT/CN, as federações e sindicatos se mobilizam para a inclusão da categoria entre as prioridades da vacinação. Em março deste ano, as entidades enviaram ofício para o governo federal cobrando a inclusão e explicando que era grande o risco de contágio no ambiente de trabalho nas agências, tanto para os profissionais que lá trabalham como para a população que utiliza os serviços bancários.


Fonte: Fetec-CUT/CN, com Contraf-CUT