Contraf-CUT é contra nova alteração do estatuto da Caixa

Publicado em 22/05/2018 17:05

Governo pretende lotear cargos entre aliados e acabar com carreira de empregados do banco

 

O governo Temer, por meio da presidência do Conselho de Administração da Caixa, pretende aprovar mais uma mudança estatutária no banco. Com a mudança, pretendem permitir a indicação política para cargos de diretoria, auditoria chefe, entre outros cargos de direção do banco. Com isso, poderá disponibilizar, ainda mais, cargos para aliados políticos, prejudicando as possibilidades de ascensão de funcionários de carreira, que são menos suscetíveis à pressão política. Hoje, somente empregados concursados podem assumir tais cargos.

Essa mudança já havia sido tentada por ocasião do debate do novo Estatuto, em outubro de 2017, mas foi retirada do texto devido à grande resistência do movimento dos trabalhadores. Agora, o objetivo do governo federal é fazer a mudança de forma sumária, destruindo a carreira dos empregados da Caixa.

Este é mais um atentado à Caixa 100% pública e aos direitos da categoria. Com luta e unidade, trabalhadores e entidades representativas barraram, no ano passado, a transformação do banco em Sociedade Anônima. E, mais uma vez, se mobilizarão contra a proposta que, na prática, significa a privatização da gestão da Caixa.

Melhorias na governança são bem-vindas. Porém, o que está ocorrendo é o desmonte e enfraquecimento da Caixa com a desculpa de melhorias na governança.

Na verdade, o objetivo é torná-la obsoleta e estimular na sociedade a visão de que a Caixa é ineficiente, não presta o serviço de maneira adequada à população e, por isso, deve ser privatizada.

Petrobras, Eletrobras e os bancos públicos, como a Caixa Econômica Federal, são os alvos no momento, assim como as teles foram nos anos 1990. Prometiam melhorias infinitas no serviço e tarifas mais baixas. Hoje, a telefonia brasileira não tem boa qualidade e as tarifas estão entre as mais caras do mundo.

Querem privatizar as empresas públicas, mas, até que sejam privatizadas, querem sugar ao máximo tudo o que for possível. É isso o que querem fazer com a Caixa Econômica Federal. Sugar ao máximo e depois privatizar.

Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT)

Leia também:
Interferências externas voltam a ameaçar a Caixa​
Nota: Governo quer acabar com carreira de empregados da Caixa

Fonte: Contraf-CUT