Funcionários do BB aprovam estado de greve e paralisação nesta quarta 10 contra reestruturação e desmonte do banco

Publicado em 08/02/2021 15:37

Funcionários do BB aprovam estado de greve e paralisação nesta quarta 10 contra reestruturação e desmonte do banco

Todas as bases da Fetec-CUT/CN aprovaram a greve. Bancários lutam contra demissões, fechamento de agências e projeto de privatização do Banco do Brasil

 

Em assembleias virtuais realizadas em todo o país nesta sexta-feira, os funcionários do Banco do Brasil aprovaram estado de greve e decidiram fazer nova paralisação nacional na quarta-feira 10 de fevereiro contra a reestruturação e o desmonte em curso na empresa.Todas as bases da Federação dos Bancários do Centro-Norte (Fetec-CUT/CN) aprovaram a greve. A aprovação do estado de greve e da paralisação foi superior a 80% no país.

“Com a nova paralisação, o funcionalismo do Banco do Brasil mostra sua indignação com a reestruturação e com a falta de transparência do banco. E exigem negociação para impedir o desmonte do BB e manter o banco público a serviço do desenvolvimento econômico e social do país”, afirma Cleiton dos Santos, presidente da Fetec-CUT/CN e funcionário do BB.

“Estamos jogando nossas forças no processo de mobilização e vamos travar uma luta sem tréguas, com nova paralisação e um calendário de atividades para os próximos dias. E vamos seguir com iniciativas que coloquem a sociedade e suas representações, inclusive as institucionais, como MPT, no nosso campo de luta, ao nosso lado, em defesa do BB e dos seus trabalhadores”, reforça Marianna Coelho, representante da Fetec-CUT/CN na Comissão de Empresa dos Funcionários do BB e diretora do Sindicato de Brasília.

Saiba como foram as assembleias nas bases da Fetec-CUT/CN:

Funcionários do BB em Brasília aprovam estado de greve e preparam nova paralisação no dia 10

No Pará, categoria aprova nova paralisação no BB contra reestruturação

Funcionários do Banco do Brasil no Mato Grosso vão parar por 24 horas no dia 10

Bancários da base do SEEBCG-MS aprovam paralisação no BB no dia 10

Bancários do BB de Dourados e Região aprovam paralisação na próxima quarta-feira

A reestruturação pretende fechar 361 unidades – sendo 112 agências, 7 escritórios e 242 postos de atendimento –, descomissionar centenas de funções e fechar 5 mil postos de trabalho, em um aprofundamento da diminuição do Banco do Brasil.

“Os funcionários mostraram que querem negociar. Exigem que o banco seja transparente com relação ao plano que está em implantação. Queremos saber quantas e quais agências serão fechadas, quantos funcionários serão afetados e o que o banco pretende fazer para que os trabalhadores não sejam, mais uma vez, prejudicados”, disse o coordenador da Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil (CEBB), João Fukunaga.

O estado de greve é um alerta para que a direção do banco e o governo se atente para as reivindicações dos trabalhadores e abram negociação para que se evite a deflagração da greve.

“Temos que estar preparados para o pior, pois temos no comando do país um governo que, declaradamente, quer acabar com os diretos dos trabalhadores e que vê o funcionalismo como um problema para seu projeto privatista. Um governo que quer, a qualquer custo, acabar com o Banco do Brasil”, completou a secretária de Juventude e representante da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) na CEBB, Fernanda Lopes.

Pressão

Os funcionários estão pressionando o banco para que o mesmo seja transparente e abra negociações com relação ao plano que prevê a demissão de 5 mil funcionários (em plena pandemia), além do fechamento de 112 agências, 242 postos de atendimento e sete escritórios.

Na quarta-feira (3), os funcionários realizaram reunião com o Ministério Público do Trabalho (MPT) para pedir intervenção do órgão na busca de informações. “Procuramos a intermediação do MPT porque a direção do banco, pela primeira vez, se recusou a nos informar sobre mudanças que afetam os funcionários de forma contundente”, afirmou o coordenador da CEBB, João Fukunaga.

O banco se comprometeu na reunião a submeter a pauta com os pontos destacados pela Contraf-CUT à instância superior e trazer a resposta até a próxima audiência com o MPT, na segunda-feira (8).

Fonte: Fetec-CUT/CN